Morre, aos 86 anos, o estilista Emanuel Ungaro

O estilista francês de origem italiana estava aposentado do mundo da moda desde 2004 e “com a saúde enfraquecida”, segundo familiares


Instalou-se em Paris em 1956, onde foi formado por Cristóbal Balenciaga. Abriu em 1965 sua própria maison, em Paris. Reprodução/Reuters

estilista francês de origem italiana Emanuel Ungaro morreu no sábado (21) em Paris, aos 86 anos, informou sua família neste domingo (22). Aposentado do mundo da moda desde 2004, o estilista estava “com a saúde enfraquecida” há dois anos, disse uma fonte familiar à AFP.

“Embora tenha deixado a maison, ele continuava sendo uma fonte de inspiração. É uma grande perda”, comentou um porta-voz da marca Emmanuel Ungaro.

Carreira

Nascido em 13 de fevereiro de 1933, numa família de imigrantes italianos de Aix-en-Provence (sul), aprendeu com o pai, alfaiate, as bases da profissão. Instalou-se em Paris em 1956, onde foi formado por Cristóbal Balenciaga. Abriu em 1965 sua própria maison, em Paris.

Em suas criações, destacam-se as misturas de estampas e as cores vivas, que abrem novos horizontes na alta-costura. Seu estilo seduziu atrizes elegantes e ricas, como sua amiga Anouk Aimée. Também vestiu outras atrizes nas telas, principalmente Gena Rowlands, Catherine Deneuve e Isabelle Adjani.

Em 1968, lançou uma linha feminina de prêt-à-porter, antes de embarcar no prêt-à-porter masculino, em 1973. Ao longo dos anos, o estilista construiu um império da moda, que incluía perfumes, sapatos e óculos e foi adquirido em 1996 pela família Ferragamo.

A partir de 2001, Ungaro, casado e com uma filha, começou a se distanciar da moda, e acabou se aposentando da alta-costura em 2004, por considerar que já não atendia “às expectativas das mulheres”. “Não se deve usar um vestido, deve-se habitá-lo”, costumava dizer o estilista, que considerava seu trabalho um artesanato.

Sensualidade

Ungaro, que descrevia a si mesmo como um “obsessivo sensual”, recebeu em 1980 o prêmio Dé d’or de melhor casa de alta-costura.

Em Ungaro, “a sensualidade está por toda parte”, diz sua amiga, a escritora Christine Orban, em uma curta biografia dedicada ao estilista. “Um simples jérsei, pela suavidade de seu material, convida a uma carícia; um vestido foi feito para se movimentar, acompanhar o corpo em seus deslocamentos, mostrar e dissimular: porque ama as mulheres, Emanuel conhece os limites da tolerância masculina, criará uma peça muito bela para ser arrancada, mas bastante astuta para sugerir que seja removida com ternura”, continua.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*